21 | 11 | 2018
RedGlobe Notícias
Venezuela aktuell
feed-image RSS Feed
Statistics

Today: 1838

Yesterday: 22843

Since 01/06/2005: 46294530

Um grupo de 357 centro-americanos, a maioria hondurenhos, chegaram em Tijuana, no estado mexicano de Baixa Califórnia, nessa terça-feira (13). Eles se uniram a outros 85 imigrantes que já haviam chegado no domingo (11). A cidade é uma das portas de entrada para os Estados Unidos, por meio do estado da Califórnia.

Os pequenos grupos se desprenderam da caravana principal, que conta com cerca quase 4 mil migrantes, e teriam conseguido carona com caminhões e ônibus que passavam pelo caminho. Eles começaram essa jornada há mês, na cidade de San Pedro Sula, no norte de Honduras. Ao longo do trajeto, cidadãos da Guatemala e de El Salvador também se somaram aos hondurenhos.

Na segunda-feira, 2 de julho, enquanto escrevia essas linhas, o Brasil acabava de vencer a mexicana, com gols de Neymar e Firmino, encerrando a participação do México no Mundial. As ruas do centro histórico da capital mexicana lotadas, muitas bandeiras e camisetas por todo lado. O que chama atenção,no entanto, é que o semblante do povo é de felicidade e alívio. Isso só pode ser explicado por uma vitória de maior alcance, obtida poucas horas antes: o triunfo de Andres Manuel Lopez Obrador, como candidato por fora da casta, dos esquemas fraudulentos e dos métodos violentos.

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) saúda o presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador e o povo mexicano pela contundente vitória alcançada neste domingo, quando López foi eleito presidente da República. No momento em que esta nota é redigida já estão apurados 70% dos votos e Obrador mantêm mais de 53% dos sufrágios, contra 22,52% do seu adversário mais próximo, Ricardo Anaya.

A apuração também indica que a coligação que sustentou a candidatura de López Obrador fará a maioria entre deputados e senadores.

Esta é uma vitória de grande monta. Obrador, homem de esquerda e de sólidas convicções progressistas, prometeu durante a campanha defender a soberania nacional e a dignidade do México, aviltada pelos ataques de Trump contra os imigrantes e a economia mexicana. Combateu o neoliberalismo e disse que iria atacar principalmente as razões que condenam milhões de mexicanos à exclusão e à pobreza.

Dos oito países latino-americanos que terminarão 2018 como novos mandatários, a situação do México é das mas complexas: a alta taxa de violência provocada pelos cartéis de drogas, a delinquência comum e os crimes de Estado juntos têm golpeado a qualidade de vida dos mexicanos. Além disso, o crescente radicalismo político do seu vizinho do norte, com a chegada de Donald Trump à presidência dos Estado Unidos, tem tido impacto direto na economia do país. A taxa de juros subiu, a economia desacelerou e a inflação vem subindo continuamente desde 2016. Tudo isso estará em jogo no dia 1º. de julho, quando os mexicanos irão às urnas definir quem será seu presidente pelos próximos seis anos.

Real time web analytics, Heat map tracking
Solidaritätsanzeige