15 | 12 | 2018
RedGlobe Notícias
Venezuela aktuell
feed-image RSS Feed
Statistics

Today: 22746

Yesterday: 22611

Since 01/06/2005: 46842645

  • Leia a íntegra da carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviada à reunião do Diretório Nacional do PT nesta sexta-feira (30).

    “Companheiras e companheiros,

    Do fundo do meu coração, agradeço por tudo o que fizeram neste processo eleitoral tão difícil que vivemos, absolutamente fora da normalidade democrática. Quero que levem meu abraço e minha gratidão a cada militante do nosso partido, pela generosidade e coragem diante da mais sórdida campanha que já se fez contra um partido político neste país.

  • O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe nesta quinta-feira (22) a visita do professor e escritor Juan Carlos Monedero, fundador do Podemos da Espanha.

    Preso político há sete meses, Lula tem recebido uma onda de solidariedade internacional, sobretudo na América Latina e Europa, onde a escandalosa condenação sem provas do ex-presidente tem sido fortemente reprovada.

  • A Prefeitura de Barcelona divulgou no  dia 14 de novembro declaração institucional em que condena o discurso de ódio e violência de Jair Bolsonaro, presidente eleito no Brasil. A nota repudia as atitudes machistas, racistas e autoritárias do militar e exige a proteção e o cumprimento estrito dos direitos previstos na Constituição de 1988.

    Além disso, expressa o apoio da cidade de Barcelona a todos os cidadãos e cidadãs do Brasil que estão mobilizados contra o radicalismo do capitão reformado. As autoridades dmanifestam ainda profunda preocupação pela nomeação do juiz Sérgio Moro como ministro da Justiça, defende o envio de missão internacional de observadores para avaliar a independência do Judiciário brasileiro e a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conforme habeas corpus concedido pelo juiz Rogério Favretto, do Tribunal Regional Federal da 4a. Região, de Porto Alegre.

  • O ex-presidenteLula rebateu, nesta quarta-feira (14), na Justiça Federal de Curitiba, em depoimento sobre o processo do sítio de Atibaia, que investiga se reformas realizadas na propriedade que não lhe pertence o beneficiaram, todas as acusações infundadas e demonstrou indignação com sua prisão injusta.

    Durante o depoimento para a juíza Gabriela Hardt, substituta do juiz Sérgio Moro, indicado para ministro do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Lula questionou: “Doutora, eu só queria perguntar para o meu esclarecimento: Eu sou o dono do sítio ou não? Porque eu estou disposto a responder toda e qualquer pergunta. Eu sou dono do sítio ou não?”, repetiu e a juíza não soube responder.

  • Sol forte e chuva intensa marcaram o dia dos manifestantes que prestaram solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em frente à Justiça Federal do Paraná, em Curitiba, nesta quarta-feira (14). Lula chegou ao prédio pouco antes das 14h para prestar depoimento sobre o sítio que frequentou na cidade de Atibaia, interior de São Paulo.

  • No depoimento desta quarta-feira, 14, o presidente Lula mostrou mais uma vez que são falsas as acusações dos procuradores da Lava Jato. Lula é um preso político, condenado injustamente para que não fosse eleito presidente da República como desejava a maioria da população.

  • Depois de 222 dias de prisão política por um triplex que nunca foi dele, Lula deixou a sede da PF curitibana para se defender num processo do sítio que ele frequentou em Atibaia, interior de São Paulo. O inquérito investiga o pagamento de obras de reforma na propriedade.

    Lula prestou depoimento à juíza substituta da Lava Jato, Gabriela Hardt nesta quarta-feira (14), na sede da Justiça Federal em Curitiba. Ao longo de quase duas horas, o ex-presidente respondeu questionamentos, reafirmou sua inocência e se insurgiu contra a guerra jurídica que se arrasta há anos contra ele.

  • O ex-presidente Lula rebateu ponto a ponto as infundadas acusações do Ministério Público em seu depoimento, reforçando que durante o seu governo foram tomadas inúmeras providências voltadas ao combate à corrupção e ao controle da gestão pública e que nenhum ato de corrupção ocorrido na Petrobras foi detectado e levado ao seu conhecimento.

  • Como explicar que mesmo sem ser o dono de um imóvel e não ter contratado reformas Lula é acusado e julgado em uma ação penal, sem provas e nem mesmo indícios? A resposta é clara: trata-se de um julgamento político. A confusão entre os poderes Executivo e Judiciário fica cada vez mais evidente, quando diz respeito à perseguir o ex-presidente.

    Sérgio Moro, o juiz-ministro de Jair Bolsonaro (PSL), segue com sua caçada ao maior líder do Brasil nesta quarta-feira (14). Lula presta depoimento na 13ª Vara Federal de Curitiba, atualmente, uma espécie de escritório do magistrado político. Moro saiu de férias, mas engana-se quem acha que ele não conduz – manipula – o processosobre um sítio em Atibaia.

  • Há 221 dias, manifestantes mantêm a Vigília Lula Livre em frente à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, denunciando a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Nesta quarta-feira (14), pela primeira vez desde o dia 7 de abril, a militância da Vigília poderá ver o ex-presidente, que sairá do prédio da PF para prestar depoimento à Justiça Federal.

  • A campanha pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é um dos pontos chave para a retomada do Estado democrático de Direito no Brasil, segundo João Pedro Stédile, um dos coordenadores nacionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

    Stédile esteve em Curitiba nesta segunda-feira (12) para reunião do Comitê Nacional Lula Livre, que é composto pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de diversos movimentos sociais e partidos políticos.

  • A campanha pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é um dos pontos chave para a retomada do Estado democrático de Direito no Brasil, segundo João Pedro Stédile, um dos coordenadores nacionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

    Stédile esteve em Curitiba nesta segunda-feira (12) para reunião do Comitê Nacional Lula Livre, que é composto pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de diversos movimentos sociais e partidos políticos.

  • Lideranças partidárias e movimentos sociais irão acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvaprevisto para a próxima quarta-feira (14) em Curitiba. Esta será a primeira vez que Lula deixa a sede da Superintendência da Polícia Federal desde que foi preso em 7 de abril deste ano. O ex-presidente irá depor à juíza substituta da Lava Jato, Gabriela Hardt, sobre o processo do sítio de Atibaia.

  • O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), manifestou hoje (12) apoio e solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante da sistemática perseguição promovida contra ele pelo juiz Sergio Moro, que o condenou sem provas e o transformou, desde o dia 7 de abril deste ano, no preso político mais conhecido em todo o mundo.

    “Foi um processo eivado de absurdos que demonstra como setores do Judiciário têm sido usados para a prática de política eleitoral e partidária”, disse o líder, lembrando que Moro, antes mesmo da realização do segundo turno das eleições presidenciais, já havia aceitado o convite para ser ministro do governo do ultradireitista Jair Bolsonaro.

  • Às vésperas de mais um julgamento de caráter político e cuja denúncia não se sustenta com base em provas, o foco da resistência agora é manter a mobilização e solidariedade ao ex-presidente Lula, mantido como preso político desde o dia 7 de abril. O recado foi dado pela presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, na Vigília Lula Livre em Curitiba nesta segunda-feira (12).

    Gleisi lembrou ainda da nova investida arbitrária contra Lula, que prestará depoimento na próxima quarta-feira (14) na 13ª Vara Federal da capital paranaense, ao ser impedido de disputar as eleições deste ano – na qual venceria, segundo as pesquisas de intenção de voto, no primeiro turno: “Este processo é outra mentira. Outra história mal contada porque o sítio (de Atibaia, que motivou a acusação) não é do Lula.  Inventaram uma história dizendo que fizeram benfeitorias por conta de recursos da Petrobras. Quem é acusado de fazer estas benfeitorias disse que isso não é verdade”.

  • A assessoria de imprensa do ex-presidente Lula (PT) se manifestou na noite desta terça-feira (6), pelas redes sociais, sobre as declarações do juiz Sérgio Moro em coletiva de imprensa realizada durante a tarde em Curitiba.

    Em nota, a assessoria reafirma que o ex-presidente foi condenado injustamente, em uma sentença repleta de "absurdos jurídicos", e que o trabalho do magistrado colaborou para a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

  • Os primeiros movimentos do futuro governo Bolsonaro confirmam as piores expectativas que se formaram ao longo de um processo eleitoral anômalo, no qual tudo foi feito, de forma ilegal e arbitrária, para impedir a vontade do povo de eleger o ex-presidente Lula.

    Esse futuro governo aponta para a criminalização dos movimentos sociais e o banimento da oposição, a começar pela esquerda; para o aprofundamento de um modelo econômico que exclui a maioria da população e privilegia os donos da fortuna; para a entrega das riquezas nacionais e a submissão do país à política externa dos Estados Unidos.

  • Motivados pela confirmação do juiz Sérgio Moro como novo ministro da Justiça, os advogados do ex-presidente Lula (PT) protocolaram nesta segunda-feira (5) um novo pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF).

  • A defesa do ex-presidente Lula entrou com um pedido de habeas corpus nesta segunda-feira (5) no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspeição do juiz/político Sérgio Moro, a nulidade do processo e a liberdade de Lula.

  • A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABDJ), em nota emitida neste sábado (3), afirma que vai entrar com representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz Sergio Moro. De acordo com a ABDJ, o objetivo é cobrar do CNJ o “zelo pela isenção da magistratura, o respeito ao princípio da imparcialidade e a garantia da legalidade dos atos de membros do Poder Judiciário”.

    A ABDJ afirma que Moro, “ainda na condição de magistrado, atuou como se político fosse, aceitando o cargo de Ministro da Justiça antes mesmo da posse do Presidente eleito e, grave, tendo negociado o cargo durante o processo eleitoral, assumindo um dos lados da disputa, conforme narrado pelo General Hamilton Mourão”.

Real time web analytics, Heat map tracking
Solidaritätsanzeige

TV

TVT Brasil
Rede TVT: www.tvt.org.br | Livestream | Youtube


Radio

Radio CUT

Rádio CUT: www.cut.org.br | Livestream | Youtube

Radio Camponesa
Camponesa 95,7 FM: camponesapalmares.com.br | Livestream

rglinks150